domingo, 19 de Outubro de 2014

Café Europa Radio Show #137 (Especial: ROME – A Passage To Rhodesia (LUX), 2014, Trisol ‎– TRI 471 2CD, DVD, Vinyl, 10", Picture Disc, Box Set, Numbered)



ROME"A Passage To Rhodesia"
Lado A 10”
01. - "Braai The Beloved Country"
CD2 “House Of Stone
02. ”The Road To Rebellion”
03. ”The Declaration”
04. ”A Short 1000 Years”
05. ”A Deafening Silence”
06. ”The Great Divide”
07. ”Matabele Land”
08. ”Open Grass / High Ground”
09. ”The Rape Gate”
10. ”Wreaths”
11. - “The When-Wes Of Rhodesia”
12. - “Gesture Without Motion”
13. - “Ending An Era”
CD1 “A Passage To Rhodesia”
14. - ''Electrocuting An Elephant''
15. - ''The Ballad Of The Red Flame Lily''
16. - ''One Fire''
17. - ''A Farewell To Europe''
18. - ''The Fever Tree''
19. - ''Hate Us And See If We Mind''
20. - ''The River Eternal''
21. - ''A Country Denied''
22. - ''Lullaby For Georgie''
23. - ''In A Wilderness Of Spite''
24. - ''Bread And Wine''
25. - ''The Past Is Another Country''
Lado B 10”
26. - ''My Traitor's Heart''



 
JeROME Reuter

domingo, 12 de Outubro de 2014

Café Europa Radio Show #136

01. DER BLAUE REITER - "Underworld Dreams part II" (ESP) (le paradis funèbre II - l' adieu du silence - 2014)
02. DER BLAUE REITER - "L' Adieu Du Silence part I" (ESP) (le paradis funèbre II - l' adieu du silence - 2014)
03. SOPOR AETERNUS & THE ENSEMBLE OF SHADOWS - "Beautiful" (GER) (mitternacht - 2014)
04. SOPOR AETERNUS & THE ENSEMBLE OF SHADOWS - "Bang Bang" (GER) (mitternacht - 2014)
05. THE JOY OF NATURE - "The Girl With Razor Waiting By The Sea" (PT) (two leaves left - 2014)
06. SOL INVICTUS - "Once Upon A Time" (GB) (once upon a time - 2014)
07. SOL INVICTUS - "Spare" (GB) (once upon a time - 2014)
08. ROME - "In A Wilderness Of Spite" (LUX) (a passage to rodeshia - 2014)
09. ÆIRIKURA-  "Fornocht Do Chonac Thu (RUS) (v.a.ruthenia: from west to east  - 2014)
10. VASHTI BUNYAN - "Rainbow River" (GB) (just another diamond day - 1970)
11. VASHTI BUNYAN - "Turning Backs" (GB) (lookaftering - 2005)
12. VASHTI BUNYAN - "Shell" (GB) (heartleap - 2014)
13. WINE AND ALCHEMY - "Greensleeves" (USA) (what dreams may come - 2010)
14. BONNIE 'PRINCE BILLY & MARIEE SIOUX - "Loveskulls" (USA) (bonnie & mariee - ep - 2012)
15. HEATHEN APOSTLES - "Before You Go" (USA) (without a trace - ep - 2014)
16. HEATHEN APOSTLES - "Dark Was The Night" (USA) (boot hill hymnal - 2013)
17. LA BURCA - "River'sDream" (BRA) (la burca - 2013)
18. LUPI GLADIUS - "Umano É Imperfetto" (IT) (veritas - 2014)
19. NEBELUNG - "Innerlichkeit" (GER) (palingenesis - 2014)
20. ART ABSCONs - "Erscheinung! (VestreKirkeg+Ñrd, Denmark)" (GER) (travelling with ukulele - 2014)
21. BLOOD AXIS & SANGRE CAVALLUM - "Sonne Golthi-Ade" (USA/PT) (v.a.mit fester hand - 2011)
22. STRYDWOLF - "Wir Rufen Deine Wolfe (w. Argheid)" (NED) (aus alter zeit - 2012)
23. ERDE - "Unruhevollen Jugend" (GER) (böse zeit - 2014)
24. ÀRNICA - "Cuerno Roto" (ESP) (v.a. raiz iberica - 2014)
25. KELTIKA HISPANNA "Trikantam Entor-Kue Toutam" (ESP) (v.a. raiz iberica - 2014)
DER BLAUE REITER
Photo by AF



domingo, 5 de Outubro de 2014

Café Europa Radio Show #135

01. BILL FAY - "City Of Dreams" (GB) (life Is people - 2012)
02. BILL FAY - "Time Of The Last Persecution" (GB) (still some light - 2010)
03. BILL FAY - "My Eyes Open" (GB) (still some light - 2010)
04. CURRENT 93 - "I Could Not Shift The Shadow" (GB) (i am the last of all the field that fell - 2014)
05. THE JOY OF NATURE - "Behind The Window" (PT) (two leaves left - 2014)
06. EMPYRIUM - "Saviour" (GER) (the turn of the tides - 2014)
07. ELIWAGAR - "Huldrefolk" (NOR) (eliwagar - 2014)
08. FAUN - "Walpurgisnacht" (GER) (luna - 2014)
09. NORDGLANZ - "Aufstand Der Trunkenbolde" (GER) (fragmente von einst - 2014)
10. FRAKMÜNDT - "Firnföuskamerad" (SUI) (v.a. mit fester hand - 2011)
11. FALKENSTEIN - "Die Letzte Krauterhexe" (GER) (die letzte krauterhexe - sg- 2013)
12. ÀRNICA - "Caminando Hacia El Sol" (ESP) (lecho de piedra - 2014)
13. AELDABORN - "Hakonarmal" (GER) (cosmic trident - 2014)
14. AINULINDALE - "Namarie" (FRA) (nevrast - 2013)
15. DAVID E WILLIAMS - "The Emperor Of Ice Cream" (USA) (trust no scaffold built of this bone - 2013)
16. CAPRICE - "The True Knowledge" (RUS) (girdenwodan, part 2 - 2014)
17. DER BLUTHARSCH AND TICOTLH - "Mountains Of Sorrow" (AUT) (today i want to catch clouds - 2014)
18. WOVENHAND - "The Refractory" (USA) (refractory obdurate - 2014)
19. SWANS - "To Be Kind" (USA) (to be kind - 2014)
20. URFAUST - "Spiritus Nihilismus" (NED) (7'' split w. king dude
21. BEN FROST - "Secant" (AUS) (a u r o r a - 2014)
22. KING DUDE - "Never Run" (USA) (fear - 2014)
ÀRNICA

THE JOY OF NATURE
Photos : AF

segunda-feira, 29 de Setembro de 2014

Café Europa Radio Show #134

01. STRYDWOLF - "Blauer Himmel" (HOL) (lieder vom traum und tod - 2013)
02. TRAUM'ER LEBEN - "Geheimnis Der Kleinen Dinge" (GER) (… was wird bleiben - 2013)
03. THE GREEN MAN - "Blindness is Bliss" (IT) (musick without tears - 2012)
04. FORSETI - "Dunkelheit" (GER) (erde - 2004)
05. EGIDA AUREA - "Storia Di Una Rondine" (IT) (storia di una rondine - ep - 2007)
06. ATARAXIA - "La Reine Des Hommes Aux Yeux Verts" (IT) (spasm - 2013)
07. ORDO EQUITUM SOLIS - "Tomorrow" (FR/IT) (killing time killing love - 2013)
08. DAEMONIA NYMPHE - "Psychostasia" (GRE) (psychostasia - 2013)
09. IANVA - "Alta Via" (IT) (la mano di gloria - 2012)
10. TEARS OF OTHILA - "Standing On The Ruins" (IT) (way to traditions - 2013)
11. DUNCAN EVANS - "Girl On The Hill" (GB) (lodestone - 2013)
12. THE LINDBERGH BABY - "Nothern Skies" (USA) (hoodwinded - 2007)
13. DIES NATALIS - "Seventh Seal" (GER) (the brigth and the pure - 2004)
14. TELLING THE BEES - "Wood" (GB) (v.a. -  john barleycorn reborn: rebirth - 2011)
15. THE STORY - "All Hallow's Eve" (GB) (v.a. -  john barleycorn reborn: rebirth - 2011)
16. CLIVE POWELL "Ca The Horse, Me Marra" (GB) (v.a. -  john barleycorn reborn: rebirth - 2011)
17. ROME - "In A Wilderness Of Spite" (LUX) (a passage to rhodesia - 2014)
18. ROME - "Bread And Wine" (LUX) (a passage to rhodesia - 2014)
19. ROME - "The Past Is Another Country" (LUX) (a passage to rhodesia - 2014)
ROME
Photo by: AF

domingo, 21 de Setembro de 2014

Café Europa Radio Show #133, Interview w. Gerhard Hallstatt (Allerseelen) @ Entremuralhas'14

01. THE JOY OF NATURE - "The Girl With The Razor Waiting By The Sea" (PT) (two leaves left - 2014)
02. THE JOY OF NATURE - "The Locked King" (PT) (two leaves left - 2014)
03. THE JOY OF NATURE - "The Boy With The Gun Waiting By The Sea" (PT) (two leaves left - 2014)
04. SAGITTARIUS - "Musa" (GER) (v.a.mit fester hand - 2011)
05. ALLERSEELEN - "Edelweiss" (AUT) (edelweiss - 2005)
06. GERHARD HALLSTATT (ALLERSEELEN) interview w. CAFÉ EUROPA part I
07. ALLERSEELEN - "Feuervogel" (AUT) (stirb und werde - 1999)
08. ALLERSEELEN - "Auf Alten Seltnen Wegen" (AUT) (hallstatt - 2007)
09. GERHARD HALLSTATT (ALLERSEELEN) interview w. CAFÉ EUROPA part II
10. ALLERSEELEN - "Gondelwerkstatt" (AUT) (venezia - 2001)
11. ALLERSEELEN - "Die Klänge" (AUT) (rauhe schale - 2010)
12. ALLERSEELEN - "Cordon Dorado" (AUT) (edelweiss - 2005)
13. DER ARBEIT - "Flama" (ARG) (v.a.mit fester hand - 2011)
14. CHANGES - "Don Quixote" (USA) (men among the ruins - split w. Allerseelen - 2006)
15. DARKWOOD - "Caucasian Tales" (GER) (ins dunkle land - 2009)
16. DARKWOOD - "Silence At Night" (GER) (schicksalsfahrt - 2013)
17. TERRA OCA - "Dark Chaos" (PT) (v.a. dark ambient vol. 4 - 2012)
18. THE LEGENDARY PINK DOTS - "Chemical Playschool 16 Part 1"(GB/NED) (chemical playschool volumes 16 & 18 - 2014)
Allerseelen w Cafe Europa

Allerseelen

Allerseelen

Allerseelen
Gerhard Hallstatt (Allerseelen) w Cafe Europa


Darkwood

The Legendary Pink Dots
Photos by : AF
Interviews Photos by: JV


domingo, 14 de Setembro de 2014

Café Europa Radio Show #132, Interview w. Andrew King @ Entremuralhas'14

01. ERMO - "Sem titulo" (PT) (ermo e.p. - 2012)
02. ERMO - "Destronado" (PT) (ermo e.p. - 2012)
03. ERMO - "Pangloss" (PT) (vem por aqui - 2013)
04. DUO NOIR - "Have You News OfMy Boy Jack?" (GB) (sintra - 2010)
05. DUO NOIR ( (w. Paulo Rinhonha as speaker) - "Recessional" (GB/PT) (sintra - 2010)
06. ANDREW KING - "Interview w. Café Europa - Part 1"
07. ANDREW KING - "Cruel Lincoln"(GB)(the amfortas wound - 2003)
08. ANDREW KING - "Froleichen So Well Wir" (GB) (7" split w/blood axis - 2010)
09. THE TRIPLE TREE - "The Ghosts Of England" (GB) (ghosts - 2008)
10. ANDREW KING - "Interview w. Café Europa - Part 2"
11. ANDREW KING - "Corvus Terrae Terror" (GB) (deus ignotus - 2011)
12. ANDREW KING - "The Three Ravens" (GB) (deus ignotus - 2011)
13. ANDREW KING - "Judas" (GB) (deus ignotus - 2011)
14SIEBEN - "Vonnegut" (GB) (no less than all - 2011)
15. ROME - "Lullaby ForGeogie" (LUX) (a passage to rhodesia - 2014)
16. SPIRITUAL FRONT - "I Just Can't Have Nothing" (IT) (black hearts in black suits - 2013)
17. NAEVUS - "Beth Gellert" (GB) (others - 2013)
18. ONIRIC - "The Echoes Of The Sky" (IT) (cabaret syndrome - 2009)
19. DEATH IN JUNE - "All Pigs Must Die"(GB) (live in wien - 2012)
ANDREW KING w. CAFE EUROPA 
Café Europa com Andrew King
Lançámos a questão acerca da dificuldade inicial de qualificar os primórdios musicais de Andrew King, de forma a ser útil para os interessados na sua música. King rapidamente fez o retrato do passado, desde a sua estreia na compilação Aum, organizada por Tony Wakeford, com “The Hobby Horse on Mayday in Minehead”, e depois com a sua ligação a Andrew Trail, dos Knifeladder. Os tempos que dariam origem ao primeiro álbum, “The Bitter Harvest” tiveram lugar antes da explosão da banda larga e portanto as dificuldades em licenciar material tradicional da sua origem eram bastantes. A sua parceria com Trail levou-o ao conhecimento de outro elemento dos Knifeladder, Hunter Barr, encontrando assim a hipótese de gravar num estúdio, mesmo que limitado.
Na realidade, “The Bitter Harvest” foi gravado num velho 4-pistas de cassetes de crómio, com um som que obviamente traduz a rudimentaridade do processo. A World Serpent Distribution de David Gibson e Alan Trench não quis distribuir o álbum na altura e “The Bitter Harvest” acabou lançado e distribuído pela Epiphany. Poucas faixas foram alvo de multi-tracking ou de overdubs, pelo que no geral, King também o considera um disco fraco e incipiente. Há no entanto um valor intrínseco nesse trabalho, sobretudo na forma como a tradição oral é tingida de tons industriais, com drones intemporais que conduzem a uma intensa mostra de força. Mesmo assim os seus detratores consideram-no como um primeiro falhanço na afirmação definitiva do nome de Andrew King. Mas, numa visão retrospetiva, essas gravações hoje em dia, parecem fazer todo o sentido. King admite que não teria chegado até ao álbum seguinte, “The Amforta’s Wound”, sem todo esse caminho de aprendizagem. Teria sido melhor não o lançar? Nesse caso, teria sido de imediato reconhecido com um trabalho de calibre, já com algum conhecimento dos meandros das gravações e possivelmente teria tido a oportunidade de regressar a alguns temas de “The Bitter Harvest”.
A via musical de Andrew King cedo revelou habilidade para sintetizar o dark-folk tradicional e a veia mais industrial/ambiental, levando este cruzamento mais além que outros dos seus correligionários, como os Sol Invictus ou os Blood Axis. De certo modo, é uma afirmação de nunca estar disposto a imitar alguém e de seguir um caminho seu – teria sido esta também a sua motivação aquando da sua passagem pelas Belas Artes, ou nas suas palavras, pelas Artes Visuais?
Em Inglaterra, as artes visuais estão dominadas pelo marketing, não importando se se é bom ou mau, o que interessa é o que se pode fazer para melhor se vender. Andrew King passou por uma escola superior de artes muito conceptual que visava levar os seus alunos a pertencerem ao que se denominou Brit Art, mas a qual falhava no ponto de indicar o modo como o artista se deveria inserir no mercado, daí julgar que o meio musical é mais honesto que o da arte visual. 

ANDREW KING @ Entremuralhas'14
Em relação aos Estados Unidos, onde Andrew King realizou duas exposições a solo, concluiu que não são tão condicionadores das artes visuais, no sentido em que aceitam os artistas que acreditam no que estão criando. O lado negativo é que se trata de um mercado antiquado e de que o valor de algo pintado depende muito de ser a preto e branco ou a cores, ou de ser grande ou pequeno. E uma vez que ele produz peças pequenas e a preto e branco, isso tornou-se um problema e tornou-se caro fazer a própria exposição; nas Ilhas Britânicas, a sua arte simplesmente não encaixou. Daí que se tenha focado na música, porque aí pelo menos as pessoas querem saber o que se está a passar. Felizmente que o livro sobre as suas pinturas veio criar de novo algum interesse, mas mesmo isso não lhe terá renovado as esperanças de ser reconhecido nos meios das artes visuais. 
Para o leigo, vagamente interessado nos mestres da pintura como Bosch, William Blake ou Edvard Munch, é possível encontrar pontos de referência. Será Andrew King, enquanto artista, capaz de reconhecê-las e usá-las como motivação estética, ou de certa forma, como processo alquímico que iluminaria os caminhos desse mundo simbólico que expressou. Com efeito, King admite que ambas hipóteses são verdadeiras e o mesmo se aplica à música. O processo pode durar semanas ou anos; as coisas não acontecem assim da noite para o dia. As influências circulam em ambos os meios de expressão e sente-se por isso muito contente por as reconhecer. Evita contudo ser demasiado óbvio, a menos que seja por pontos específicos que tenham ou devam ser assumidos.
Quisemos ainda questionar Andrew King sobre a sua tendência monocromática nas pinturas que incluiu no livro “Emblematic Paintings”. Caso para dizer que por vezes criados efeitos luminosos que parecem sugerir cores pastel por entre os traços. King ri-se e afirma que são predominantemente escalas de cinzento, sombreadas. No entanto, não se coíbe de referir a pintura que veio a ser a capa do álbum “The Amfortas’ Wound” – enquanto usava um “xis-ato” no manuseamento das tintas, cortou-se e algumas gotas de sangue espalharam-se no centro do quadro. Pensando que isso era algo predestinado a acontecer, deixou-as ficar, tendo-se tornado depois acastanhadas. Tudo por acidente.                       

ANDREW KING @ Entremuralhas'14
Mudando de assunto, focámos de seguida a nossa conversa nas várias colaborações que Andrew King desenvolveu desde 1998; algumas com bandas líderes do movimento Neo-Folk, mas outras também menos ortodoxas como os franceses Les Sentiers Conflictuels e os britânicos Brown Sierra. Tal rácio de colaborações é digno do Guiness Book Of Records. Quisemos saber com essas colaborações tomaram forma – em estúdio ou simplesmente através das facilidades da internet. No que diz respeito ao disco “1888” com os Les Sentiers Conflictuels, Andrew e Philippe nunca se tinham visto e isso não foi planeado, foi apenas o decurso natural dos factos. A troca de registos aconteceu durante os primórdios da banda larga e a quase totalidade da música desse álbum é da autoria do francês; King só vocalizou e deu sugestões de acabamentos estéticos, nomeadamente no uso de gravações de época, feitas ainda nos cilindros de cera inventados por Thomas Edison. Andrew King gostaria de levar ao palco o álbum “1888”, tal como aconteceu com “Absinthe” dos Les Joyaux De La Princesse com os Blood Axis, mas esse tem sido um plano já com alguns anos e ainda não houve oportunidade para tal, sendo um registo em tudo semelhante e propício a um acontecimento ao vivo, embora não haja qualquer certeza de que acontecerá. Aliás, a referência a este estranho mas marcante álbum suscita a nossa próxima questão: sendo King um nome ligado ao Dark-Folk novo-tradicionalista nunca teve problemas em usar abundantemente drones industriais como pano de fundo. Nesse caso até que ponto o ruído gerado eletronicamente se poderá misturar com uma visão neotradicionalista do Mundo? King diz que tudo depende – as canções acompanham o ritmo e a métrica da língua em que estão escritas, e no seu caso isso não lhe permite construir uma canção baseada em batidas repetitivas. Salienta o caso de “Judas” do álbum “Deus Ignotus“ que considera algo repetitivo, mas na qual consegue tecer uma narrativa à sua volta. Para si, qualquer tipo de eletrónica constrange o texto e isso ele evita-o. O texto tem que ser supremo. Daí que, sim, estabelece limites para aquilo que é simplesmente incompatível, algo que por vezes só se vem a saber já dentro estúdio. Nesse pé, seria então possível que, ainda que remotamente, as texturas ruidosas de nomes clássicos como Throbbing Gristle ou SPK (dos quais fez parte o próprio John Murphy, que acompanha King ao vivo) pudessem de algum modo tê-lo influenciado? Obviamente, o conceito de que musicalmente, qualquer coisa há de funcionar, foi muitíssimo libertador para a sua geração, e ter alguém como Murphy a tocar tambores para si representa um largo bocado da história. O potencial musical de um baterista como John Murphy tem por vezes de ser refreado e é por isso que lhe lembra que em certos momentos menos é mais. Se Murphy usasse sempre toda a sua versatilidade rítmica, acabaria por distraí-lo ao vivo. Nalgumas peças como em “The Stripping of the Altars” em que não há um ritmo específico, e outras com sonoridade mais abstrata, essa questão não se põe, mas nos temas com o harmónio em que um certo ritmo que ser mantido tem que lhe exigir que toque menos, o que é de facto um tremendo desperdício, para tão grande músico. Mas ele compreende como as coisas funcionam. Quando fizeram a digressão com os Blood Axis, John Murphy tocava nos dois sets, e os Blood Axis deixavam-no soltar-se, improvisar, o que o levava a pensar que não usufruía o suficiente dos seus préstimos enquanto músico. Andrew King não se vê como um músico, mas antes como um vocalista. Alguém que canta, e se permitisse que John Murphy soltasse toda a sua garra, acabaria por desconcentrá-lo.
Foi preciso esperar cinco anos para lançar o segundo álbum “Amfortas’ Wound”; será esta a derradeira afirmação da qualidade sobre a quantidade? Habituar os ouvintes a longos intervalos entre lançamentos de discos de originais? Obviamente que ficou contente com o som desse álbum, ao passo que, como virmos o primeiro era ainda um disco de aprendizagem. Havia uma audiência que visivelmente respeitava esse segundo álbum. O neo-folk tornou-se um género muito abrangente, sem fazer crítica a isso, mas muitas bandas o que fazem são canções simples e acústicas. Daí que King ficasse feliz por trazer um pouco do seu conhecimento académico especializado para dentro da cena, e por as pessoas ficarem interessadas, o que lhe custou um pouco, dado que certos invejosos lhe levantaram problemas para trazer esse input para a cena. Quanto à exigência que deriva dos intervalos entre lançamentos, existe de facto uma preocupação com o controlo de qualidade, e se isso implica longos períodos de tempo, que assim seja. O espaço entre “ The Bitter Harvest” e “Amfortas’ Wound” resulta também de um período de convalescença de um problema de saúde; os oito anos que medeiam entre aquele e “Deus Ignotus”, foi porque ao longo dos anos houve outras gravações, e porque alguns dos seus trabalhos têm uma direção específica, dá-se à liberdade de deixar as canções desenvolverem-se como que organicamente, e se isso implica 6, 7, 8 anos, então que assim seja.                                 
O tempo será por isso uma ferramenta para deixar as canções apurarem, mas algumas gravações intermédias foram relativamente rápidas, porque havia razões externas que assim o ditaram, por exemplo o CD a meias com os Changes, na editora nacional Terra Fria, ou até mesmo o mini LP de 10 polegadas. Mas regra geral gosta de fazer os seus trabalhos o melhor que pode e, com “Deus Ignotus”, foi esse o caso. Quanto ao próximo, “The Tower of Pride”, sobre a Primeira Guerra Mundial, os seus planos são mesmo lançá-lo ainda em 2014. Mas há sempre questões de logística; um dos temas terá a participação dum amigo que executará uma peça num órgão de catedral anglicana na Índia, onde se encontra a viver, e tudo isto leva tempo a preparar. A versão de “Recessional” que há-de aparecer em “The Tower of Pride” vai implicar a participação vocal de 20 pessoas diferentes, de vários países e até ao momento ainda lhe faltam algumas partes. A feitura de “The Tower of Pride” implicou pesquisas acerca dos célebres poemas sobre a Primeira Guerra; alguns deles estavam excluídos à priori, mas outros tinham necessariamente de aí figurar, por diversas razões. Depois foi preciso planear a forma como os temas seriam feitos, algumas só canções simples, como “Army of Mercenaries”, outras mais abstratas, como “The Stripping of the Altars”, outras ainda são exatamente gravações ambientais de campo. Haverá algumas peças mais “ruídistas”, mas tudo isto leva Andrew King a racionalizar que o próximo disco de originais poderá eventualmente sair em 2015 e já não este ano.
Falando depois sobre a sua longa permanência nos Sol Invictus, como convidado especial, é significativo saber um pouco mais sobre esta sua experiência; King sempre assumiu que os Sol Invictus são a banda de Tony Wakeford e que sempre que ele não quer trabalhar mais com alguém, é assunto seu. Mas o que lamenta mais na sua estadia de mais de cinco anos com os Sol INvictus é o facto de não ter sido feito um álbum à maneira mais tradicional do grupo, admitindo que a sua última participação em The Cruellest Month o deixou algo insatisfeito. Ainda por mais, a editora Prophecy insistiu na organização da caixa retrospetiva dos álbuns iniciais e que não se envolveria no lançamento de material novo, antes do boxset estar pronto. Em temas como Cruel Lincoln e Edward, ainda tentou essa via mas o material seguinte já se afastou de novo da orientação tradicional.
Falando ainda de colaborações, é de sublinhar o carácter de quase hit-single que o 7” split com os Blood Axis alcançou há uns anos atrás, o qual, inclusive, já se encontra esgotado há muito. Modestamente, King assume que o sucesso se deve ao tema dos Blood Axis, “The Dream”, e não ao seu. A ideia foi sugerida por Annabel Lee, e logo houve concordância, pelo facto de ambos estarem à altura a trabalhar em poemas medievais alemães, dos chamados Minnesänger, para os respetivos álbuns em progresso. Como não há muita gente que honestamente os fossem capazes de reproduzir, achou-se boa ideia dar-lhes uma mistura diferente e lançá-los em single. Mas não havia material semelhante suficiente nem para um mini álbum, dado que os temas eram partes integrantes de dois álbuns diferentes. Os temas medievais alemães não assim tão conhecidos pelo público folk britânico. Para além disso, assumem uma musicalidade algo difícil que se pode tornar aborrecida, estando constantemente sob a tutela do trabalho académico que impõe regras estritas sobre como devem ser interpretadas; já a poesia tardia da Idade Média germânica é bem mais interessante e vivaz, mais na linhagem trovadoresca. Daí ele ter arriscado na interpretação em Alemão Antigo, com a ajuda de amigos austríacos. Tê-lo-ia preocupado mais se fosse em Francês ou Italiano, embora tivesse já participado com os Àrnica, para o qual contou com ajudinha da esposa que é catalã.“Deus Ignotus” terá sido definitivamente o seu trabalho mais completo, não só ao nível literário, mas também em matéria de qualidade de som, pese embora ter saído em 2011; tem soado como um disco crescente ou mesmo permanente nos leitores de CD dos seus admiradores. Andrew King faz o rappel do andamento das gravações que conduziram ao seu terceiro trabalho de longa duração. “The Three Ravens” foi parcialmente gravado com John Murphy, há já alguns a
ANDREW KING w. CAFE EUROPA
nos, mas com a inclusão ou adição de outras variantes de percussão, o tema seria facilmente uma peça de abertura; depois gastou algum tempo com o manuscrito de “Judas”, o qual tinha a certeza de incluir no álbum, e ainda algumas outras peças. Por exemplo, “Lord Lovel” é a gravação mais antiga presente em “Deus Ignotus” – é do período de “Amfortas’ Wound”. No entanto, como foi um muito bom take, King decidiu usá-lo. O texto de David Jones, “In Upper Room” era mais outro tema na sua cabeça, e ao qual mais tarde deu acabamento, mas custou-lhe uma fortuna em direitos; ao contrário de outros autores cujos representantes tinham generosamente cedido autorização graciosa, a Faber & Faber pratica preços de copyrights que são autênticos rombos no orçamento, e pagar cerca de 500 libras para interpretar e imprimir um texto num álbum não está ao alcance de todos. No entanto, King relembra o episódio do contrato que chegou com um preço inflacionado de £850,00, mas que num smallprint do recibo ainda trazia o preço anterior. Daí à negociação foi pelo menos um passo saboroso de o feitiço se virar contra o feiticeiro, e a Faber & Faber cedeu nos seus propósitos quase dignos da usura medieval. De resto fica o aviso para os admiradores, “The Tower of Pride” ao incluir textos cujos direitos de autor são igualmente proibitivos, não irá incluir folha de líricas, embora sejam referidos os títulos e respetivos autores. Como remate desta reveladora conversa com Andrew King, e numa nota final que de rodapé tem pouco, ficaram as palavras do seu apreço pelo Festival Entremuralhas e pelo Castelo de Leiria que só então descobria e onde nos brindou com um espetáculo inesquecível, mau grado uns insignificantes problemas de som ao início. 

ONIRIC @ Entremuralhas'14

ONIRIC @ Entremuralhas'14